Total de visualizações de página

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Bem Aventurados os brandos Pacíficos - Estudo do Evangelho segundo o Espiritismo - Capítulo 09.

Estudo de o Evangelho. Capítulo 9, itens 1 ao 4. A agressividade.Os valores, os hábitos, o orgulho. o machão. a satisfação aos outros. As perdas por ser brando.


Jesus o Médium Divino

A renovação planetária. A reurbanização da Europa. O cristianismo e seus erros. O desvirtuamento dos valores do Cristo. O ceticismo perante os absurdos das teologias. A Doutrina Espírita não tem compromisso com os equívoco do cristianismo e as religiões humanas ontem e hoje, mas com os ensinos essenciais do Cristo. A maturidade planetária. Os Capelinos e a sua saga num planeta primitivo. As iniciações e o sigilo dos segredos espirituais. A iniciação cristã: a caridade a tudo e a todos com amor. Os magos de ontem e de hoje que recusam o Caminho de Jesus. Os essênios. O Amor ao próximo.

A Auto-Obsessão

O estudo da auto-obsessão. Tema desconhecido. Auto-obsessão como índice de nossas imperfeições evolutivas. As imperfeições da alma. As ações imprevidentes. A ignorância e os vícios como auto-obsessão. A auto-obsessão: porta de entrada para a obsessão. Os sofrimentos que buscamos por nós mesmos. A criação mental negativa. A mentalização viciada. O monoideísmo. os Vícios. A saúde e o câncer que surgem devido a auto-obsessão. A profilaxia as auto-obsessões. Culpa X Responsabilidade. A irresponsabilidade pelo próprio destino. As programações reencarnatórias.



Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita

Nesta palestra abordamos entre outros temas:

A ostentação. A pedagogia de Jesus. O Caminho do Cristo. O amor incondicional. O mapa do amadurecimento espiritual. O médium e o Mestre espiritual oculto. Nasrudim. A insaciedade. Reclamação é malcriação da alma imatura birrenta.


quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Aristóteles, filósofo grego, escreveu este texto “Revolução da Alma” no ano 360 A.C. ... E é eterno.


“Ninguém é dono de sua felicidade, por isso: não entregue sua alegria, sua paz e sua vida nas mãos de ninguém, absolutamente ninguém!
Somos livres, não pertencemos a ninguém e não podemos querer ser donos dos desejos, das vontades ou dos sonhos de quem quer que seja.
A razão da sua vida é você mesmo.
A sua paz interior é a sua meta de vida.
Quando sentir um vazio na alma, quando acreditar que ainda está faltando algo, mesmo tendo tudo, remeta seu pensamento para os seus desejos mais íntimos e busque a divindade que existe em você.
Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você. Não coloque objetivos longes demais de suas mãos, abrace os que estão ao seu alcance hoje.
Se anda desesperado por problemas financeiros, amorosos ou de relacionamentos familiares, busque em seu interior a resposta para acalmar-se.
Você é reflexo do que pensa diariamente.
Sorrir significa aprovar, aceitar, felicitar. Então abra um sorriso para aprovar o mundo que quer oferecer a você o melhor.
Com um sorriso no rosto as pessoas terão as melhores impressões de você, e você estará afirmando para você mesmo, que está "pronto“ para ser feliz.
Trabalhe, trabalhe muito a seu favor. Pare de esperar a felicidade sem esforços. Pare de exigir das pessoas aquilo que nem você conquistou ainda.
Critique menos, trabalhe mais.
E, não se esqueça nunca de agradecer.
Agradeça tudo que está em sua vida neste momento, inclusive a dor. Nossa compreensão do universo ainda é muito pequena para julgar o que quer que seja na nossa vida.
A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las.
Se você anda repetindo muito: “eu preciso tanto de você” ou, “você é a razão da minha vida” - cuide-se.
É lícito afirmar que são prósperos os povos cuja legislação se deve aos filósofos.
A inteligência é a insolência educada.
Nosso caráter é o resultado de nossa conduta.
Egoísmo não é amor, mas sim, uma desvairada paixão por nós próprios.
O homem sábio não busca o prazer, mas a libertação das preocupações e sofrimentos.
Ser feliz é ser auto-suficiente...
Seja senhor de sua vontade e escravo da sua consciência.”

DEZ MANEIRA DE AMAR A NÓS MESMOS

DEZ MANEIRA DE AMAR A NÓS MESMOS
 André Luiz
 1 - Disciplinar os próprios impulsos.
 2 - Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.
 3 - Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.
 4 - Aceitar sem revolta a crítica e a reprovação.
5 - Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.
 6 - Evitar as conversações inúteis.
7 - Receber o sofrimento o processo de nossa educação.
 8 - Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.
 9 - Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.
10 - Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.

 Da obra Paz e Renovação - Francisco Cândido Xavier.

lokah samastah sukhino bhavantu - Deva Premal


Lokah samastah sukhino bhavantu


om shanti shanti shanti



"Que todos os seres sejam felizes e
que meus pensamentos, palavras e atos 
contribuam para a felicidade de todos os seres."


BEBIDA ALCOÓLICA E ÁGUA - O QUE ACONTECE QUANDO BEBEMOS

Você vai ao bar ou a uma festa e bebe uma cerveja. Bebe a segunda cerveja. A terceira e assim por diante. O teu estômago manda uma mensagem pro teu cérebro dizendo "Caracas, véio... o cara tá bebendo muito liquido, tô cheião!!!" Teu estômago e teu cérebro não distinguem que tipo de líquido está sendo ingerido, ele sabe apenas que "é líquido". Quando o cérebro recebe essa mensagem ele diz: "Caraca, o cara tá maluco!!!"E manda a seguinte mensagem para os Rins "Meu, filtra o máximo de sangue que tu puderes, o cara aí tá maluco e tá bebendo muito líquido, vamo botar isso tudo pra fora" e o RIM começa a fazer até hora extra e filtra muito sangue e enche rápido. Daí vem a primeira corrida ao banheiro.

Se você notar, esse 1º xixi é com a cor normal, meio amarelado, porque além de água, vem as impurezas do sangue. O RIM aliviou a vida do estômago, mas você continua bebendo e o estômago manda outra mensagem pro CÉREBRO "Cara, ele não pára, socorro!!!" e o CÉREBRO manda outra mensagem pro RIM "Véio, estica a baladeira, manda ver aí na filtragem!!!" O RIM filtra feito um louco, só q agora, o q ele expulsa não é o álcool, ele manda pra bexiga apenas ÁGUA (o líquido precioso do corpo). Por isso que as mijadas seguintes são transparentes, porque é água. E quanto mais você continua bebendo, mais o organismo joga água pra fora e o teor de álcool no organismo aumenta e você fica mais"bunitim".
Chega uma hora que você tá com o teor alcoólico tão alto que teu CÉREBRO desliga você. Essa é a hora que você desmaia... dorme... capota... Ele faz isso porque pensa "Meu, o cara tá a fim de se matar, tá bebendo veneno pro corpo, vou apagar esse doido pra ver se assim ele pára de beber e a gente tenta expulsar esse álcool do corpo dele" Enquanto você está lá, apagado (sem dono), o CÉREBRO dá a seguinte ordem pro sangue "Bicho, apaguei o cara, agora a gente tem que tirar esse veneno do corpo dele.

O plano é o seguinte, como a gente está com o nível de água muito baixo, passa em todos os órgãos e tira a água deles e assim a gente consegue jogar esse veneno fora". O SANGUE é como se fosse o Boy do corpo. E como um bom Boy, ele obedece as ordens direitinho e por isso começa a retirar água de todos os órgãos. Como o CÉREBRO é constituído de 75% de água, ele é o que mais sofre com essa "ordem" e daí vêm as terríveis dores de cabeça da ressaca. Então, sei que na hora a gente nem pensa nisso, mas quando forem beber, bebam de meia em meia hora um copo d'água, porque na medida que você mija, já repõe a água.

Sabia que... ... tomar água na hora correta maximiza os cuidados no corpo humano?2 copos de água depois de acordar ajuda a ativar os órgãos internos. 1 copo de água 30 minutos antes de comer ajuda na digestão. 1 copo de água antes de tomar banho ajuda a baixar a pressão sanguínea. 1 copo de água antes de ir dormir evita ataques do coração. Por favor, passe esta mensagem para as pessoas que estima...

Vídeo de Natal, vídeo de amor, sensibilidade e beleza.

Quer se emocionar positivamente um pouco? Então veja/sinta esse vídeo de Feliz Natal. Simples como a vida deve ser: fruição de bons sentimentos uns para com os outros....

Um boi inteligente.

Medo de ficar só faz com que busquemos qualquer relação




Medo de ficar só faz com que busquemos qualquer relação, aponta pesquisa

Dr. Cristiano Nabuco

O medo de ficar só é um forte estímulo, tanto para mulheres como para homens, para que desenvolvam relacionamentos pouco estimulantes.

O resultado é de uma pesquisa feita pela Universidade de Toronto, com uma ampla amostra de mulheres e de homens (americanos e canadenses de várias origens étnicas e de variadas idades), publicada no Journal of Personality and Social Psychology.

Os pesquisadores afirmam que, se uma pessoa está muito tempo solteira, tenderá ela naturalmente a ficar menos crítica em relação aos seus relacionamentos, engajando-se em qualquer tipo de relação amorosa. O curioso é que mesmo estando não satisfeitas e, inclusive, “sabendo” que os seus pares românticos não são aquilo que esperavam, elas ainda assim permanecem em seus relacionamentos.

De certa forma, creio eu, o nível de ansiedade causado pela “solteirice” é tão impactante que as pessoas preferem ficar em relacionamentos de baixa qualidade do que correrem o risco de acabarem ficando sozinhas.

Mas qual seria a razão para que estas pessoas aceitem qualquer coisa, você saberia dizer?…

Eu esclareço.

Diferença entre apego e afeto

Temos operando em nosso cérebro um sistema automático e muito primitivo que, desde nossos antepassados, nos faz buscar a proteção do outro. Esse “impulso mental” pode ser visto operando também nos animais e explica o fato de andarem em bando, pois junto com o grupo, a alimentação, o acasalamento e a proteção se dão de forma mais efetiva, garantindo uma maior sobrevivência.

Assim sendo, igualmente nos humanos, quando crescemos, também buscamos instintivamente apoio e proteção de nossos pais para que depois, com a passagem do tempo, possamos perseguir na vida adulta uma nova figura de apego que nos proteja. No caso, os parceiros românticos.

Desta maneira, biologicamente falando, o mecanismo de apego sempre se manifesta antes do afeto, pois primeiro precisamos nos sentir protegidos para depois podermos estar seguros para gostar de alguém. Isso equivaleria dizer: a existência de uma “lei de sobrevivência” cerebral, ou seja, a busca de apoio vem sempre antes.

Vejamos, quando o sentimento de proteção se faz manifesto, portanto, ficamos livres para estarmos ligados (afeiçoados) a alguém. Perceba, assim, que, sentir-se protegido, não é a mesma coisa do que sentir-se querido, pois são circuitos mentais distintos que são acionados.

Entretanto, as coisas nem sempre saem como esperado.

Nosso cérebro sempre nos impulsiona a desenvolver relações de apego e busca de segurança, mesmo naqueles casos onde o apego recebido não é dos mais expressivos.

Assim, muitas vezes, gostamos de uma pessoa, mas não nos sentimos tão protegidos por ela. Isso explicaria, em parte, por que muitos indivíduos desenvolvem relações paralelas (casos extraconjugais) com outras figuras. Em uma pessoa se manifesta o apego e em outra o afeto.

As relações mais duradouras ou, se você preferir, as mais longevas, são, na verdade,  aquelas nas quais a figura de afeto é ocupada pela mesma figura da de apego. Isto é, equivale dizer que conseguimos gostar de alguém que também nos traz a sensação de proteção.

Desta forma, as relações românticas mais satisfatórias são aquelas que nos fornecem ambas as coisas (sensação de afeto junto com a de apego) e que são popularmente denominadas de “relações de cumplicidade”. Moral de história: nestes casos, gostamos de alguém que também nos protege.

Ficou mais claro agora?… Não é difícil.

Conclusão

Portanto, a pesquisa canadense apenas demonstra que na ausência de uma boa figura de afeto, acabemos nos contentando com uma que, pelo menos, nos forneça  sensação de proteção, ainda que fiquemos infelizes.

Isso explica também a razão pela qual sempre temos algum conhecido que passa uma vida inteira com alguém que não lhe traz a felicidade, ou seja, ainda que não exista afeto evidente, possivelmente existe a percepção desta pessoa de um sentimento de proteção.

Quem já não ouviu falar de algum cônjuge que a confiança no parceiro “acabou”? Mas ainda assim, lá permanece o casal, junto, por anos a fio.

Enfim, esses são alguns dos dilemas que nossa herança antepassada nos dá para resolver, isto é, o medo de ficar só faz com que nos contentemos com qualquer relação.

Extraído de: http://cristianonabuco.blogosfera.uol.com.br/2013/12/18/medo-de-ficar-so-faz-com-que-busquemos-qualquer-relacao-aponta-pesquisa/

Cravo-da-índia

O Cravo-da-índia é o melhor antioxidante natural que se conhece. ( adoro mascar cravo) também é um grande alíado pra quem quer parar de fumar!

Propriedades: Ação antibacteriana,antioxidante, antifúngica, antiviral, estimulante das secreções gástricas. Tem propriedades expectorantes e antigripais.

 Para que serve o cravo da índia Bronquite, tosse e síndromes gripais, para diminuição de gases intestinais. Externamente, nas inflamações da boca e da faringe, cáries dentárias e otites, como antisséptico e analgésico.

Empatia -

Este vídeo é Profundo e reflexivo. Merece ser visto e meditado.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Humildade

" Dizem que a vida é pra quem sabe viver, mas ninguém nasce pronto. A vida é para quem é corajoso o suficiente para se arriscar e humilde o bastante para aprender."

Velhos e Jovens

A virtude remoça os velhos, 
o vício envelhece os moços.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Coração Aberto

ABRO A JANELA DO MEU CORAÇÃO,
 ABRO A JANELA DO MEU CORAÇÃO

ENTREGO, CONFIO, ACEITO E AGRADEÇO.... 
ENTREGO, CONFIO, ACEITO E AGRADEÇO...
ENTREGO, CONFIO, ACEITO E AGRADEÇO.... 



Serás Mãe por toda a tua vida




"Respire. 
Você será mãe por toda a vida.
Ensine as coisas importantes! As de verdade. A pular poças de água, a observar os bichinhos, a dar beijos de borboleta e abraços bem fortes. Não se esqueça desses abraços e não os negue nunca. Pode ser que daqui a alguns anos, os abraços que você sinta falta sejam aqueles que você não deu. Diga aos seus filhos o quanto você os ama. Sempre que pensar nisso. Deixe ele imaginar. Imagine com ele.... As paredes podem ser pintadas de novo. As coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe doem para sempre. Você pode lavar os pratos mais tarde. Enquanto você limpa, ele cresce. Ele não precisa de tantos brinquedos. Trabalhe menos e ame mais. E, acima de tudo, respire. Você será mãe por toda a vida. Ele será criança só uma vez."

Abençoe com Seu Coração

Feche os olhos e com a luz e com o amor de seu Coração 
abençoe todos os lugares na Terra onde haja tristeza, 
doença, dor e o desespero.
 Só o amor cura.
 Sua Vontade não tem limites. 
Faça-o com bondade e alegria.


Ser Luz








"Que eu saiba ser luz! 

Mesmo estando rodeada de pessoas 

nubladas." (Jeessy B.)

A rádio MEC e o SEU cadáver

"Não surpreende que os que lamentem sejam os ouvintes de música clássica. Mas quem vai mais sofrer é quem nem sabe que algo foi de si retirado."


A rádio MEC e o SEU cadáver

Depois de cadernos de cultura e literatura serem eliminados de jornais, agora essa história da Rádio MEC.
Vamos repetir uma verdade difícil de ser aceita pela maioria. Digamos que você é uns dos que diz que não gosta de música clássica, ou até gosta um pouco, mas nunca ouve. Isso acontece simplesmente pelo mesmo motivo porque você, quando criança, não gostava de estudar português ou tabuada. É um tipo de arte não não atrai imediatamente, logo, não se trata simplesmente de experimentar ouvir um minuto e ver se agrada. Se você não teve estímulo e educação para ouvir (e quem teve isso na vida?), ou, como foi o meu caso e de muitos amigos, se você não se esforçou, por si mesmo, para ouvir, você não vai gostar nunca.
Mas possivelmente você já se esforçou por muita coisa na vida, não vai fazer mais isso. Ok. Então você precisaria do estímulo, da ocasião, no mínimo de uma rádio que sempre tocasse esse tipo de música, uma entre as dezenas que tocam tudo menos isso e, num dia que você tivesse mais disposição, poderia colocar e experimentar uma audição. Essa rádio não pode, evidentemente, ser privada, tem de ser do governo. Mas e se o governo resolve, primeiro, sucatear a rádio e, depois, eliminá-la, como faz com tudo o que deveria funcionar para saúde, educação e qualidade de vida?
Aí você nunca vai saber o que é ouvir uma música de outra época. Você vai ouvir, a vida inteira, músicas da velha mesmice do seu presente, até virar cadáver. Cadáver, que nem a rádio MEC.

Eduardo Guerreiro Losso.


http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/a_radio_mec_nao_acabara

O segredo

O segredo da atração é amar a si mesmo. 
Pessoas atraentes não julgam nem a si mesmos nem os outros. 
Eles estão abertos para gestos de amor.
Eles pensam sobre o amor, e expressam o seu amor em cada ação.
Eles sabem que o amor não é um mero sentimento, 
mas a verdade suprema no coração do universo.


sábado, 26 de outubro de 2013

REGRAS DE SE SER HUMANO



Você receberá um corpo.
Pode gostar dele ou odiá-lo, mas ele será seu durante essa rodada.

Você aprenderá lições.
Você está matriculado numa escola informal, de período integral, chamada vida. A cada dia, nessa escola, você terá a oportunidade de aprender lições. Você poderá gostar das lições ou considerá-las irrelevantes ou estúpidas.

Não existem erros, apenas lições.
O crescimento é um processo de tentativa e erro: experimentação. As experiências que não dão certo fazem parte do processo, assim como as bem sucedidas.

Cada lição será repetida até que seja aprendida.
Cada lição será apresentada a você de diversas maneira, até que a tenha aprendido. Quando isso ocorrer, você poderá passar para a seguinte. O aprendizado nunca termina.

Não existe nenhuma parte da vida que não contenha lições.
Se você está vivo, há lições para aprender.

“Lá” não é melhor do que “aqui”.
Quando o seu “lá” se tornar em “aqui”, você simplesmente entenderá que o melhor é viver o "aqui" e "agora".

Os outros são apenas seus espelhos.
Você não pode amar ou detestar algo em outra pessoa, a menos que isso reflita algo que você ama ou detesta em si mesmo.

O que fizer de sua vida é responsabilidade sua.
Você tem todos os recursos de que necessita. O que fará com eles é de sua responsabilidade. A escolha é sua.

As respostas estão dentro de você.
Tudo o que tem a fazer é meditar, analisar, ouvir e acreditar.

Twyla Nitsch

Valores Reais e Valores idealizados.

Reflexão é a base da mudança: 1º informação. 2º reconhecimento de que aquela informação, apesar de ser reconhecida como um valor, é um valor não vivido. Admirado, mas não vivido. Portanto é algo externo a nossa própria vida. Só será um valor nosso, quando o vivermos.
E a vivência é realidade quando é vivida, não quando é escrita, pregada, pensada ou admirada. Vivida.
Quando faz parte da nossa vida é um valor.
A apresentação da informação nova é o primeiro passo. Depois a reflexão entre o que vivo e a informação nova. E depois, se o informe novo for, de fato, percebido por mim como algo interessante, a busca da vivência, por que eu decidi e quero isso. E não por que é o correto, o que a religião diz que tem que ser, que os outros vão achar bonito, nada disso.
Meus valores são o que vivo, o que sou, o que transpiro agora, hoje, ontem, é portanto um valor meu. Identificá-lo não é sempre fácil, devido aos hábitos arraigados que temos de nos esconder até mesmo de nós mesmos.
Construímos barreiras para não nos ver. Vemos no outro, mas isso não significa nada. Pois na verdade, o íntimo do outro só pode ser percebido com longa observação, diálogo e quando realmente sabemos quais são os nossos valores. Enquanto isso não está claro. O outro é apenas alguém que utilizamos para nos projetar valores que não vivemos, mas que achamos dominar e que fazem parte da nossa vida. Não fazem.
Isso não me ajuda a crescer. Ao contrário, ao não perceber o jogo que fazemos entre valores e máscaras de valores que usamos para agradar e ficar bem conosco mesmo e com o mundo, infelizmente estamos apenas fazendo o que sempre fizemos, escondendo-nos, disputando, usando de subterfúgios perfeitamente construídos para evitar o auto confronto.
O único que realmente interessa.
O autoengano nosso é pensar que valores idolatrados, cantados, postados no facebook, pregados e escritos são, por isso mesmo, meus valores.
Na verdade, os meus valores são aqueles que eu vivo, sinto, executo.
Se posto aqui algo sobre maledicência ou faço uma palestra sobre a maledicência, mas tenho o hábito de antipatizar e mal dizer sem saber a fundo, ainda que pregue contra, a não maledicência ainda não é um valor meu.
É um valor ideológico do meio que vivo, mas ainda não faz parte do conjunto de valores pessoais meus. Identificar essa diferença fará toda a diferença. A gente começa a se ver sem as máscaras sociais convenientes, e nos vemos como nós somos. O que nem sempre é algo agradável.
Mas imprescindível se quisermos nos conhecer realmente. Não as verdades adocicadas que repetimos para nós e para os outros, repetimos tanto que acabamos acreditando que são nossos valores, apenas por que os admiramos. Só serão nossos valores quando os vivermos.
Enquanto forem algo que gostamos, admiramos, aplaudimos e até que achamos que somos, mas que não se tornam uma realidade vivida, na vida diária. Não são nossos valores.
Urge observarmo-nos com atenção. Sem culpas, sem pomadinhas homeopáticas, sem vitimizações, ou “mea culpa”. Apenas vermos o que de fato falamos, fazemos, agimos, nos comportamos. O que valorizamos, o que nos atrai. Esses são nossos valores. Gostemos deles ou não. Os valores ideais, os pregados pelos livros sagrados, pelas religiões, manuais, pregadores, livros, posts de facebook, esses NÃO são nossos valores, ainda. E só o serão quando eles estiverem inseridos na nossa vivência cotidiana.
E isso só acontecerá se retirarmos as máscaras sociais tão apertadas e nos confrontemos. Não para dizer “ ai como sou pequeno”, “ai como sou denso” ou “ai como sou devasso”, nada disso.
Mas para sabermos por que esses valores fazem parte da nossa vida. Se devem continuar fazendo. E por que se algum desses valores não são aquilo que admiramos, pregamos e queremos ao nosso redor, por que estamos separados dos valores que achamos ideais.
Serão esses valores ideias, realmente ideais para mim nesse momento evolutivo que estou vivendo?
Conhecer nossos valores reais é imprescindível para que nos conheçamos e possamos nos abrir para o outro. Sem comparações ou disputas. Reconhecendo que o humano é real e que o ideal é ideal, paramos de olhar para o mundo com um olhar de juiz. E passamos a mudar o discurso aceso idealista religioso para um que inclua todos os seres e coisas.
Urge identificarmos nossa ficha de valores pessoais, sem medos, hipocrisias ou exposição pública, mas, para, a partir disso, nos conhecermos realmente, sem medos, sem fugas, sem comparações. E, se por algum acaso, reconhecermos que os valores que vivemos não são aqueles que queremos para nós, agora sim, sem máscaras, conseguiremos com relativa facilidade, caminhar na direção de valores idealizados, que apesar de não serem ainda os nossos valores, reconhecemos como sendo àqueles que queremos na nossa vida.
E veremos que em muito pouco tempo, teremos esses valores como parte intrínseca de nossas vidas.
Anderson.

Percebes as coisas com os seus filtros....



A nossa percepção das coisas é o Karma.
Como agimos, pensamos e reagimos move nosso ser diante da "realidade" que está posta.
Todo o nosso pensar é resultado do processo cognitivo construído por nós. Consciente e inconscientemente. Gostos,escolhas, amizades, decepções, amores, paixões, caminhos, cores, sons, religiões, entendimento, simpatia, antipatias, diversões, predileções variadas são construídas num processo imperceptível de feedback que nossa consciência trabalha e engendra numa síntese que é toda nossa, e isso, forja prisões ou alavancas para a alma.

Deus se divertindo, se economiza.

"O diabo, é às brutas;
mas Deus é traiçoeiro!
Ah, uma beleza de traiçoeiro 
- da gosto!
A força dele,
quando quer - moço!
- me dá o medo pavor!
Deus vem vindo:
ninguém não vê.
ele faz é na lei do mansinho
- assim é o milagre.
E Deus ataca bonito,
se divertindo, se economiza."


Guimarães Rosa

(Grande Sertão: Veredas)

Sobre o perdoar




O perdão tem diversas nuances amplitudes e possibilidades. Ele, inclusive, independe da atitude do outro a quem se perdoa. É ato unilateral.

Mas como o Will Smith afirmou, ao meu ver sabiamente, (mas claro, é questão de opinião), confiança a pessoa dá a quem fez por merecer tê-la. Não tem q ver necessariamente com perdão.

Eu posso perdoar o estuprador, mas não deixaria meu bebê de dois meses com ele, para cuidar.

Eu perdoaria. Não revidaria, não desejaria mal dele, e até tentaria, dentro do meu possível ajudá-lo, mas confiar a ele uma turma de crianças para ele passear no bosque , eu não confiaria. Percebeu amiga, a diferença?

Outro exemplo que podemos citar é o do relacionamento à dois, a mulher, por exemplo que apanhou do marido algumas vezes, sendo que na última surra, quase morreu, ficando internada no CTI vários dias, quando os irmãos dela foram a ela e disseram que iriam matá-lo, ela pediu que não fizessem isso. Que deixassem para lá, por que ele o marido espancador era pai do seu filho. Ela disse que o perdoou que ele era um infeliz, mas percebeu depois de anos de sofrimento, que ele, o ex-marido, era nocivo a ela.
Perdoou, não queria revides, não pensa mal e deseja que ele seja feliz, mas não quer, por amor a si mesma, a sua dignidade feminina, repetir a experiência emotiva destrutiva. Entende a diferença?

Poderão ser amigos no futuro? Claro que sim, quem o sabe?
Mas reatar um relacionamento assim ou impor como mandamento moral que a pessoa fique com alguém assim, como certas Igrejas obrigam,(pois são a favor da indissolubilidade do casamento) acho que é cruel. Respeito, mas é contra toda a emancipação psicológica que o homem e a mulher têm conquistado nos últimos 50 anos.

Como disse Kardec, perdoar os inimigos não significa de modo algum querer ter nesse que foi ou é seu inimigo a mesma confiança e amizade que vc tem ao seu melhor amigo.

Pode acontecer?
Sim, claro. Mas não é a mesma coisa.
 Perdoar  significa não revidar, auxiliar, não pagar o mal como mal, não desejar mal, esquecer as ofensas e seguir adiante, estar renovado e tranquilo.
Não significa, de forma alguma, ter que manter um relacionamento que, tende, pela postura do próprio perdoado, a se tornar pernicioso.  Pois o perdoado   não necessariamente,  mudou de hábitos, ideias e padrões de atitudes.

Podendo mesmo estar fazendo a manutenção de seus hábitos perniciosos, de suas opiniões agressivas e de seus sentimentos antipáticos a nós.
Problema dele.
Nosso problema é não ir para o umbral dos sentimentos por causa dele e de seu jeito de ser.

Não quero dizer também que a pessoa não possa  ter contato, amizade ou relacionamento com a pessoa,  Vejam bem. Cada caso é um caso.

Se a mulher, no caso do exemplo que dei, quiser reatar com o marido espancador, isso é um direito do livre arbítrio dela.
Isso é de cada um, de cada circunstância, de cada situação...

Mas o que estamos analisando, a frase do Will Smith, não se confunde com isso, entende?
Perdoar nada tem que ver com reatar relacionamento. Perdoar tem que ver com o sentimento que a gente sente com relação ao que a outra pessoa fez à gente.

Reatar ou não é o livre arbítrio de cada um que deve decidir.

Já o perdão é imperioso que o façamos, pois a raiva, a mágoa a vontade de vingança a decepção pensada e repensada, faz mal em primeiro lugar a nós, a nossa saúde, a nossa percepção do mundo ao derredor.

Entender essas nuances semânticas e emocionais, acho são fundamentais para nossa caminhada....

ofício de professor...

Nesse link uma reflexão engraçada e interessante sobre o ofício de professor.

http://comoeumesintoquando.tumblr.com/post/33653255449/sou-professor

http://comoeumesintoquando.tumblr.com/post/33653255449/sou-professor


Aqui minhas reflexões depois de ver o post nessse blog....


AFS.



Interessante como diante da situação educacional brasileira. Da desordem e da deseducação, do fracasso escolar e do fracasso social em que vivemos, como o professor é a classe culpada direta ou discretamente.

Todos parabenizam, mas ninguém se joga, compra a briga, muda formas de conduta....

E cá ficamos nós, os tais que ensinam em sala de aula, em tempo curto, com cobranças, esquecimentos e desconsiderações....

Professor:

Classe incompreendida, mal remunerada, desprezada, acusada, largada, enfim, tudo conspira para que abandonemos esse ofício, assim que a oportunidade permitir.

Infelizmente não acredito que partidos políticos possam dar a esse país alguma melhora. Não tenho a fé em ideologias materialistas de alguns, nem que partidos ou pessoas carismáticas isoladas adoradas e isoladas possam resolver o problema que é de todos.

Tenho certeza absoluta que só a Educação poderá tirar os traços de barbárie que espocam por todo lado.

Mas como valorizar algo que não se tem? Como valorizar o discernimento numa sociedade em que a aparência e a perda de lucidez em sensações dominam ou predominam?

Como estimular em alunos que vem de famílias que são um caos, alunos cheios de problemas pessoais, que carregam dentro de si, ainda cedo, uma série de influências e vivências dolorosas e profundas?

Como estimular a essa massa ignara, a valorizar o esforço próprio e a dedicação se isso nem sempre vem com a remuneração desejada?

De repente, diante de duas pessoas que rapidamente observei de longe esta semana. Ricas, matadoras e fazedoras de votos... idosas, mas vitoriosas naquilo que o mundo tem de bárbaro, agressivo, rude, denso...

a gente se percebe: imaturo e ingênuo, sonhador e menino...diante dos tais fodões que dominam nosso mundo e ditam a ordem das coisas...

Muito inteligentes construíram a realidade de tal modo que há uma inversão de valores....

A pesquisa, a dedicação, o sentimento, a sinceridade são vistos como coisa de gente fora da realidade, sonhadores À luz do dia, rebeldes de causa perdida....
professor é um tecedor de sonhos...

Apesar Coréia do Sul, Noruega, Alemanha, Japão testemunharem minhas falas, não com teorias, mas são realidades....

Mas não vivemos lá, e aqui, na nossa sociedade terceiro-mundista, sociedade construída para a disputa, para subir pisando, olhando de cima, poderosos.... na forma que eu vejo: doentes....

da alma...

A barbárie que há na Costa de Marfim, como um amigo me contou domingo, há aqui, nos diversos nichos sociais em que vivemos ou sobrevivemos...

Em Ruanda, No Haiti, encontramos aqui....com nuances diferentes...

Pois aqui se sorri mais, o lúdico inebria e tira a percepção das coisas....
Não me excluo disso. Estou inserido no processo e por isso mesmo vejo o por quê de sermos tão lúdicos, tão apegados a aparência....

É uma forma suave de brutalidade, brutalidade da alma....
Encarcerados mentais, explosões emocionais, interesses pessoais, dinheiro, corrupção e "jeitinho"....

Não há espaço para sonhadores, amantes da vida, da paz e da generosidade....
De compartilhar saberes, de tecer conhecimento, de construir relações abertas, reflexivas, sem disputas....

Diante dessa onda tão grande, o professor com seus livros e textos, ideias e performances, sendo espoliado, injuriado, oprimido, xingado e explorado....

Acaba ele mesmo adotando para sua vida ações e atitudes que são ela mesmas detonadoras do mundo pelo qual sonha, paradoxos...

Mesmo no seu campo de trabalho a falta de valorização de seus superiores, a disputa entre pares...

reproduzindo o delírio neoliberal, da educação feita para ter lucros, dividendos, poderes....

não sei sabe, não sei....

Sei que canto essas coisas por aqui, que como diz minha amiga Kátia, ninguém lê, e talvez por isso me estendo e me estendo, para que os bárbaros não leiam e os tais fodões da vida, deem risadinhas de desprezo...

E lá se vai, mais um dia...

Anderson F. dos Santos.



                                                          

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

"quem quer ter razão, é porque ainda não a tem."






Anjo Bom cantado pelo grupo Gan - Grupo Arte Nascente




Quando um grande amor
Tiver o prazer 
de nos visitar
E se for alguém
Que possui a luz de um anjo bom...

Nas constelações há de ter o bem que você sonhou
E será alguém que possui a luz de um anjo bom

A música Anjo Bom que embalou nossas juventudes sonhadoras, cantada pelo GAN, ao vivo, tudo a ver....

Viagem, Miguel Torga


"Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro.
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar...
(Só nos é concedida
Esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos).
Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura...
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar."

Calúnia


Uma mulher tanto falou que seu vizinho era um ladrão que o rapaz acabou sendo preso. Dias depois, descobriram que ele era inocente. O rapaz, então, foi solto e processou a mulher. 
-Comentários não causam tanto mal, disse ela em sua defesa diante do tribunal.
-Escreva os comentários num papel, depois pique-o e jogue os pedaços no caminho de casa. Amanhã, volte para ouvir a sentença, respondeu o juiz.
A mulher obedeceu e voltou no dia seguinte.
-Antes da sentença, terá que recolher todos os pedaços de papel que espalhou ontem, disse o juiz.
-Impossível, respondeu ela. Já não sei onde estão.
-Da mesma maneira, um simples comentário pode destruir a honra de um homem, e depois você não tem como
consertar o mal, respondeu o juiz, condenando a mulher à prisão.






O Imperador e a camponesa.



"O imperador de Akbar interrompeu sua caçada no bosque, ajoelhou-se, e fez as preces da tarde. Nesse momento, uma camponesa que corria pela floresta atrás do marido perdido, tropeçou no imperador ajoelhado.

Sem pedir desculpas, seguiu adiante.

O imperador de Akbar ficou contrariado, mas – como bom muçulmano – não interrompeu o que estava fazendo.

Meia hora depois, a camponesa voltava contente, junto com o marido, quando foi presa e levada até Akbar.

“Explique-me seu comportamento desrespeitoso, ou será condenada!”, bradou o imperador.

“Eu pensava tão intensamente no meu marido, que nada vi. Vossa Alteza pensava em alguém muito mais importante que meu marido, como foi que me viu?”

O soberano não respondeu nada. E mais tarde confidenciou aos amigos que uma simples camponesa lhe havia ensinado o sentido da oração."


PAULO COELHO









Ensinando...

“ Venham até a borda, ele disse. Eles disseram: Nós temos medo. Venham até a borda, ele insistiu. Eles foram, Ele os empurrou... e eles voaram”. (Guillaume Apollinaire).







quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Num piscar de olhos...!!!!


En-cai-xo-ta-dos



Cada um no seu cubinho, isolados, separados, en-cai-xo-ta-dos
...e assim se afunda a humanidade.

Frase de um pajé do povo Kaingang sobre o homem branco:

“O mundo deles é quadrado, eles moram em casas que parecem caixas, trabalham dentro de outras caixas, e para irem de uma caixa à outra, entram em caixas que andam. Eles vêem tudo separado, porque são o Povo das Caixas….”

Reflexões de Chico Xavier



O que eu tenho não me pertence, embora faça parte de mim. Tudo o que sou me foi um dia emprestado pelo Criador, para que eu possa dividir com aqueles que entram na minha vida.
Ninguém cruza nosso caminho por acaso e nós não entramos na vida de alguém sem nenhuma razão. Há muito o que dar e o que receber; há muito o que aprender, com experiências boas ou negativas. Tente ver as coisas negativas que acontecem com você como algo que aconteceu por uma razão precisa. E não se lamente pelo ocorrido; além de não servir de nada reclamar, isso vai lhe vendar os olhos, dificultando assim, continuar seu caminho. Quando não conseguimos tirar da cabeça que alguém nos feriu, estamos somente reavivando a ferida, tornando-a muitas vezes bem maior do que era no início. Nem sempre as pessoas nos ferem voluntariamente. Muitas vezes somos nós que nos sentimos feridos e a pessoa nem mesmo percebeu; e nos sentimos decepcionados porque aquela pessoa não correspondeu às nossas expectativas.

E sabemos lá quais eram as nossas expectativas?


Decepcionamo-nos e decepcionamos outras pessoas também.


Mas, claro, é bem mais fácil pensar nas coisas que nos atingem. Quando alguém disser que lhe magoou sem intenção, acredite nela! Vai lhe fazer bem. Assim, talvez, ela poderá entender quando você, sinceramente, disser que "foi sem querer". 

Dê de você mesmo o quanto puder! Sabe, quando você se for, a única coisa que vai deixar é a lembrança do que fez aqui. 

Seja bom, tente dar sempre o primeiro passo para a reconciliação, nunca negue uma ajuda ao seu alcance, perdoe e dê de você mesmo. Seja uma bênção a todos que o cercam! Deus não vem em pessoa para abençoar, Ele usa os que estão aqui dispostos a cumprir essa missão. Todos nós podemos ser Anjos.
A eternidade está em nossas mãos. Viva de maneira honrada, para que, quando envelhecer, você possa falar só coisas boas do passado e sentir, assim, prazer uma segunda vez ... e ter a certeza de que quando você se for, muito de você ainda fique naqueles que tiveram a boa ventura de lhe encontrar.

-Chico Xavier

Desejo a vocês...

Desejo a vocês...
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho.
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.

Carlos Drummond de Andrade.

Jake menino prodígio.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

30 coisas lindas acontecendo AGORA.

30 coisas lindas acontecendo AGORA.

 
O agora está repleto de maravilhas belas espalhas pelo mundo todo.

Se você for uma pessoa atenta, perceberá. Se você tiver força de vontade, ajudará a fazer acontecer.



Vamos parar um pouco e pensar nas coisas lindas que estão acontecendo ao nosso redor.

Absolutamente agora, neste exato momento…

Um recém-nascido acabou de respirar pela primeira vez.
Dois adolescentes apaixonados acabaram de dar seus respectivos primeiros beijos um com o outro
Alguém está dirigindo com os vidros abaixados e cantando sua música favorita tão alto quanto seus pulmões podem aguentar
Voluntários em diferentes cidades estão assistindo ativamente e ajudando as pessoas sem casa, sem dinheiro, sem comida, que são negligenciados pela sociedade e só precisam de alguém para ouvi-las.
Alguém fez um elogio a um desconhecido que precisava desesperadamente de uma razão para sorrir
Dois colegas de trabalho estão rachando de rir e se segurando para não fazer barulho
Um monitor de turma está contribuindo com tempo, encorajamento e sendo um bom ouvido para ajudar um estudante a desenvolver suas paixões e habilidades.
Pessoas próximas e distantes estão segurando as mãos das pessoas que amam.
Um casal que estava afogado em dívidas orgulhosamente zeram o débito dos seus cartões de crédito.
Alguém está indo além e fazendo um esforcinho extra para tornar a vida de alguém mais fácil.
Pessoas ao redor do mundo estão doando para sites de doaçõs online como o GoFundMe para ajudar estranhos.
Pessoas que não beberam estão levando seus amigos para casa em segurança
Um veterano está ajudando um calouro.
Alguém que sempre teve problemas com peso está olhando para a balança, sorrindo.
Um ex-alcóolatra acabou de celebrar um ano inteiro de sobriedade absoluta.
Em algum lugar, alguém está admirando um por do sol estonteante e um amanhecer surreal.
Um amigo está ajudando outro a melhorar de uma crise de depressão e suicídio.
Alguém está segurando a porta para a pessoa que vem logo atrás.
Um bom samaritano parou para ajudar um desconhecido com problemas no carro na estrada.
Alguém está celebrando o fato de ter quebrado seu próprio recorde pessoal.
Um militar embarcado acabou de receber um email da pessoa amada.
Centenas de pessoas estão gastando um pouco do seu tempo clicando no Free Rice.
Alguém acidentalmente ouviu outra pessoa falando bem delas.
Um enfermeiro de plantão acabou de salvar a vida de um paciente.
Dois amigos estão se abraçando depois de muito tempo distantes.
Gente honesta está trabalhando incessantemente em diversos setores governamentais para ajudar a proteger os direitos mais básicos das pessoas e a liberdade dos cidadãos
Alguém que sofreu um acidente grave está de pé novamente.
Vários dos próximos inventores, artistas e empreendedores do mundo estão trabalhando sem parar no aperfeiçoamento de suas idéias e ofícios
Alguém está sentado, quieto e rindo pelo fato de não ter ninguém no mundo que eles gostariam de trocar de pele no momento.
Alguém na internet está escrevendo um comentário encorajador para um post em um blog que vai fazer as outras pessoas sorrirem. ;)
Sem dúvidas, há beleza praonde quer que você olhe, basta você querer ver e fazer acontecer.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O bobo flautista e biquinho a Beija Flor




Na cabeceira do rio vai voando o beija flor,
Muitos cercam, mas só querem
Flertar com seu biquinho
Desbravar sua mata, depois flertar em outro cantinho
Debaixo da copa da árvore o bobo com sua flauta
Vê biquinho, a beija flor curiosa
que a todos olha, fogosa...
mas  de tanto apanhar,  agora um pouco madura,
é  receosa, não quer sofrer  mais , ô lição dura.
e lá vai o bobo com sua flauta irradiando o som encantador...
conversando com todos, flores,  Borboletas e abelhas,
chega biquinho, a beija flor carismática...
Ela olha o bobo da corte e simpática sorri com carinho
E o bobo extasiado
Tem um dejáVu, de onde conhece esse biquinho?
A mata mãe da vida, se manifesta em odores e silêncios
Acalmia na mata, acalmia
Para o encontro fora do espaço e do tempo
O bobo se lembra mas biquinho não
Toca a flauta bobo, deixa o passado pra lá
Celebre a vida e sua canção a encantará
E tocando sua flauta, biquinho escuta aquele som
De primeira acha estranho o assédio do bufão
Vai chegando a noitinha
Biquinho sente frio
Coitadinha da beija flor
Curiosa olha para todo lado e plaft, não viu...
 molhou o pezinho dentro da bromélia
Mas graças ao Ânimo da flauta encantadora , se reanima
Toda serelepe, crec, crec, sai voando de flor e flor.
Assanhada a beija flor. Arranca o sorriso do bobo.
Cheio de amor, vê biquinho ir, indiferente....
E sua flauta mágica pelo encanto, embala corujas e pirilampos
Mas não vê biquinho, seu amor
Só ela sorri daquele jeito, só ela tem o biquinho encantador
 Quando surge a lua cheia
Biquinho aparece com uma flor
O bobo ruboriza
e sorve realizado o néctar de sua flor.....
e na mágica dança do afeto puro,
Transformam-se as almas na dança da lua
Saem voando na clara luz
pólens, néctar, flautas e voos...




sábado, 28 de setembro de 2013

Micro Estudo Preparatório Livro Libertação capítulo 1 Página 14

Estudo sobre colônias espirituais.

O destino da pessoa após a morte, Colônias espirituais, cidades extrafísicas, cidades no umbral, cidades inferiores, cidades ou grupamentos inferiores, a transição evolutiva, o sexo após a morte, a sexualidade sagrada, a tolerância com as crenças e ritos alheios, os níveis evolutivos, Jesus modelo e guia e não o salvador, educação dos sentimentos, força de vontade, a kundalini, o pranayama, o deus Huracan, colônias espirituais de religiões da Terra: são superiores ou inferiores?, O Santo Daime, A raiz da Jurema, a colônia de Aruanda. Todas cidades espirituais têm bônus hora?

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Como não depender da aprovação alheia




Receber palmas vira objetivo em vez de resultado natural por ter feito algo direito. Especialistas

ajudam a identificar a dependência e mostram o caminho da desintoxicação.


Vera Gudin



Todo mundo gosta de ouvir elogios, e não há nenhum problema nisso: o aplauso é um combustível poderoso para alcançar metas e um reconhecimento indispensável para não desanimar no meio do caminho, característica da natureza humana. Para algumas pessoas, porém, é mais do que isso: uma droga sem a qual nada vale a pena. Elas padecem de uma necessidade insaciável de ser aprovadas, estimadas e admiradas sistematicamente pelos outros. Alimentam-se do foco positivo – verbal ou não – que recebem. “Direcionam todo o seu comportamento, de fato a sua vida, para obter esses fragmentos agradáveis de atenção”, observa o escritor, filósofo e orientador psicológico israelense Sam Vaknin no livro Malignant Self Love – Narcissism Revisited (Amor-próprio maligno – Narcisismo revisto), ainda indisponível no Brasil.

Especialistas como Vaknin identificam essa atitude como um transtorno e cunharam até um nome para ele:

narcissistic supply, em português algo como “suprimento narcísico”. Tem controle, mas a parte mais difícil talvez seja assumir que há um desequilíbrio na calibragem entre a necessidade normal e a patológica de elogios. A atriz e cantora Zezé Motta, 65 anos, atual superintendente da Secretaria da Igualdade Racial do Estado do Rio de Janeiro, precisou de anos de terapia para descobrir o problema e aprender a lidar com ele. Eu sentia necessidade de ser aprovada a todo minuto, desde que era bem pequena. Por isso me tornei artista”, diz. “Até hoje, se alguém me olha de forma atravessada no aeroporto, por exemplo, fico arrasada”, confessa sem constrangimento e com uma dose de humor, resultado do autoconhecimento alcançado graças ao divã.

Quem depende da aprovação alheia para ser feliz, a exemplo dos viciados, está sempre ávido pela “droga” redentora: elogios, adulação e aplausos. E quem irá suprir essa “dependência”? Bingo! Quem estiver por perto e se prestar – sempre tem alguém! – a esse papel: um familiar, o melhor amigo, o cônjuge, um vizinho ou até um fã, em se tratando de um artista. “A necessidade de aprovação, reconhecimento e aceitação é importante porque vivemos numa rede social. O professor que acredita ter dado uma boa aula encontra nisso um retorno de seu trabalho”, pondera a psicóloga e psicoterapeuta Daniela Loureiro. “Mas, quando a pessoa estabelece uma relação patológica, ou seja, cria uma dependência de aplausos, há prejuízos. Isso pode gerar depressão, ansiedade e uma tristeza profunda se os elogios não vêm. A aprovação do outro passa a ser um objetivo na vida e não um resultado natural.” O transtorno afeta ambos os sexos, só que as mulheres falam mais abertamente sobre isso. Zezé Motta tomou conhecimento de sua dependência” recentemente. No começo, eu sofria, mas achava muito normal me sentir assim”, relembra.

“Na adolescência, quando algum namorado desistia de mim, ficava de cama. Todo mundo se sente mal quando leva um fora, mas comigo era uma coisa meio exagerada. Eu me trancava no quarto e demorava muito para me recuperar. Trabalhei isso na análise. Hoje, se eu levo um fora, dou uma caminhada, vou ao cinema ou prestigio um amigo que está fazendo um show. Não fico deprimida ou chorando.”

Garimpeiros

Os viciados em aplausos tornam-se experts em garimpar elogios. Muitas vezes, procuram a excelência em alguns – ou em vários – aspectos da vida, seja no trabalho, seja em alguma habilidade específica, como uma modalidade esportiva. Mesmo com bons resultados, nunca estão satisfeitos com o próprio desempenho, o que é típico da natureza do transtorno. “O esforço para melhorar faz parte do desejo natural e saudável do ser humano. Mas uma coisa é querer se aprimorar. Outra, muito diferente, é ficar se cobrando o tempo todo por isso. Temos que ser o melhor que podemos”, destaca o psiquiatra e psicanalista Luiz Alberto Py.

Cobrar-se exaustivamente é um indício de que algo não vai bem. O psiquiatra alerta: “Aqueles que agem assim estão muito inseguros, insatisfeitos. Sentem-se inferiorizados e precisam compensar esse sentimento chamando a atenção e buscando ser os melhores. Em geral, não resolve. Então, acabam caindo em algum tipo de compulsão, seja para bebida, sexo, droga ou para compras, desconsiderando que isso só traz um alívio temporário. É como o remédio que atenua a dor, mas não cura. Se não tratar a causa, ela vai voltar”. Para complicar, nem sempre é possível distinguir o desejo saudável de se aprimorar do patológico. “A pessoa diz: ‘O que busco é minha excelência máxima’, quando, na verdade, precisa o tempo todo que o outro lhe diga quanto é bela, capaz, pois não tem uma autorreferência bem construída, que lhe permita lidar com seus defeitos e com o que não tem de bonito”, afirma a psicóloga Daniela Loureiro.

Filha única, C., 42 anos, sempre foi excelente aluna ao longo da vida acadêmica. A família era a plateia perfeita, endossando seus feitos e alardeando quão inteligente ela era. Ao se formar em advocacia, no início da década de 1990, arrumou um ótimo emprego. Tudo ia maravilhosamente bem até que perdeu uma causa importante, algo normalíssimo para quem é do ramo. Para ela, no entanto, foi um verdadeiro choque.

Só de pensar na possibilidade de um novo fracasso, sentia náuseas e dores de cabeça. A cobrança por um desempenho irrepreensível acabou causando tamanho stress e ansiedade que começou a ter dificuldades em se concentrar no trabalho. Pediu demissão, entrou em depressão e só conseguiu sair da apatia meses depois, graças ao apoio da família. “Pude perceber que meus pais me amavam com minhas fragilidades e meus defeitos. E desde então passei a lidar melhor com minhas fraquezas”, conta C., hoje funcionária pública. A psicóloga Daniela dá pistas do que aconteceu com ela: “A pessoa fica presa a uma imagem que criou e que quer projetar de si, porém a nossa alegria e o interesse de viver não podem estar pautados apenas no reconhecimento público”.

O x da questão

O que leva alguém a precisar com sofreguidão da admiração e da aprovação de terceiros? Pais que vinculam a aceitação dos filhos a suas conquistas ou uma educação que privilegia a competição podem programar nos pequenos essa ânsia por aplausos, segundo alguns especialistas. Já Luiz Alberto Py acredita que o transtorno está vinculado à insegurança e ao sentimento de rejeição. Zezé Motta admite ter se sentido seriamente rejeitada durante a infância. O pai, Luiz, abandonou a mãe, Maria Elavy, quando estava grávida de Zezé. Dos 6 aos 12 anos, a atriz ficou num colégio interno particular mantido por uma instituição espírita. As visitas aconteciam apenas uma vez por mês. “Ficava perguntando: ‘Por que eu?’ ”

Ao sair do internato, passou, por sua vez, a hostilizar a mãe, que colocou um ponto final no conflito com uma conversa franca, contando à filha todas as dificuldades que havia enfrentado ao longo da vida. A confissão foi como um bálsamo na alma de Zezé, que hoje se dá muito bem com os pais. “Sentir-se rejeitado não quer dizer que esteja sendo de fato”, observa Luiz Alberto Py. “Sentimentos são mentirosos e enganam. Em vez de dar tanto crédito a eles, deve-se investigar se estão corretos ou equivocados.” A boa notícia é que sair do buraco pode não ser tão difícil assim. Vencer qualquer tipo de transtorno, seja ele a ânsia incontrolável por receber atenção ou não, é possível por meio de autoconhecimento e superação. Todos temos condições de criar algo melhor para nós mesmos”, assegura a psicóloga Daniela Loureiro.

Programa de desintoxicação

Reconheça que algo vai mal

“A primeira coisa a fazer é entender o que está acontecendo. Só podemos resolver um problema quando sabemos que ele existe e percebemos que a solução está em nossas mãos”, afirma o psicanalista Luiz Alberto Py. A psicóloga Daniela Loureiro lembra que os incômodos e impasses são muito bem-vindos.

“Quando a gente estranha alguma coisa, começa a fazer uma reflexão sobre aquilo que está se tornando automático.”

Procure ajuda profissional

Livrar-se da dependência do aplauso é um trabalho lento, longo e que exige muito empenho do “viciado”. “Com a ajuda de um profissional especializado, pode levar até três anos. Sozinho, uns 20. O auxílio de um terapeuta pode ser extremamente útil para abreviar esse processo, acelerando os resultados”, diz Luiz Alberto Py.

Sintonize razão e emoção

Perceber que se tornou competitiva por se sentir rejeitada e frustrada já é um ótimo ponto de partida. É importante identificar as próprias emoções e pôr a razão para administrá-las. “A emoção nos diz aonde ir, e a razão indica como chegar lá”, afirma Py.

Dupla Perfeita: Cumplicidade Conjugal.



Cumplicidade Conjugal


O que se pode observar é que, para um casal viver bem não basta que tenham apenas os mesmos objetivos de
vida, é preciso mais do que isso. Além de ter um sonho em comum, é preciso transformá-lo em projeto, de tal forma que o casal precisa concordar não só com o objetivo final, mas também com a forma na qual ele será alcançado.

Neste contexto, a cumplicidade entre o casal é conquistada após muita convivência e superação de
adversidades juntos. Assim, com a experiência conjugal adquirida, o casal tem a possibilidade de se
tornarem cumplicies, isto é, de colaborarem e concordarem na realização de projetos em comum, o que certamente trará bem estar e tranquilidade para a relação conjugal. Sendo assim, a cumplicidade em si não se resume em ter sonhos convergentes, mais do que isso, exige troca, convivência e muita conversa entre o casal, para que seus planos atuais e futuros possam ir se encaixando na união conjugal.



       Ademais, a cumplicidade entre um casal pode ser observada ao passo em que existe um apoio mútuo também na realização dos projetos individuais de cada um. Assim, ter com quem contar e dividir suas dores, suas dúvidas, suas angústias e também suas conquistas e realizações, é um motivador nas relações conjugais de sucesso. Além do mais, ter cumplicidade é poder se abrir para o parceiro sem medo e desfrutar de uma conversa sincera, livre de julgamentos, mesmo quando não há plena concordância entre eles. Dessa forma, ser cúmplice é também respeitar o espaço e os limites do parceiro, acolhendo e apoiando o outro em suas decisões e projetos de vida. Uma vez que, a relação conjugal favorece não só os projetos de vida de casal, mas também as conquistas individuais e o crescimento pessoal.

      É nos momentos de convívio entre o casal que um vai percebendo o outro, descobrindo seus gostos e preferências, de tal modo que surge a possibilidade conhecer o parceiro e assim aprender a como conquistar um sim quando se há a possibilidade de um não. Esses pequenos ajustamentos entre o casal, bem como a flexibilidade de cada um é que colaboram então para a construção da cumplicidade e companheirismo conjugal. Vale ressaltar que, no início do relacionamento, na fase em que a paixão ainda se faz prevalente, não é difícil conceder aos desejos do outro, uma vez que a paixão e a vontade de estar sempre juntos acabam por ocultar discordâncias que futuramente podem vir a tona, afinal, os parceiros são pessoas diferentes e vieram de famílias distintas. Desse modo, a ausência de conflitos no início da relação não garante a cumplicidade, é preciso um esforço entre o casal para que possam alcançar a tão desejada cumplicidade, essencial para a preservação do afeto entre o casal e um cotidiano agradável.

       Sendo assim, é necessário que o casal tenha um tempo para se conhecerem, uma vez que, o encaixe nunca acontece de imediato, a não ser em situações de subserviência e dominação. No entanto, nesses casos não existe cumplicidade, mas sim obediência. E a submissão, não importa quais sejam os motivos que levaram a ela, nunca ocorre com satisfação de ambas as partes.  

  Ψ Cumplicidade em Psicoterapia: Para uma convivência saudável, é necessário que os membros do casal sejam cúmplices, de tal modo que possam ir administrando seus projetos de vida em acordo com o que é de interesse para ambas as partes. Dessa forma, quando os casais percebem a falta de cumplicidade entre eles, a psicoterapia pode ajudá-los a reverter essa situação, desde que ambos estejam de acordo com isso e se mostrem capazes de olhar para o outro, de forma que possam perceber o outro em seus desejos e angústias, para que assim possam ir construindo seus projetos de vida em comum, bem como seus projetos individuais, que quase sempre interferem na vida a dois.

Paula Knychala do Carmo